terça-feira, outubro 21

terrons de zucre

tomarme, en sorbos curtos, para non queimar a lingua,
para non sentir miña pel de canela penetrar túa porosidade.

óllasme a través da porcelana que me contén,
o recipiente que nos separa e che fai estar salvado de meus vapores.

sérveste outra taza, son infinita molecula de sal á que non acostumarte.
enfrío, desaparezo na brancura da louza na que me confinas.

tabillona

3 comentários:

Nelson disse...

É bom sentir lentamente a doce magia de cada poema teu.
Até quando o poema é mais ácido do que doce... é bom tomá-lo!

mesmante eu, disse...

mil grazas nelson, alegranme moito os teus comentarios ;)
bicos

Nelson disse...

É sempre um prazer!

Free Counter and Web Stats