domingo, outubro 4

reconstruindo 000.0

consumida na traseira agárdote.
non son o xesto andróxino que esperas.
compóñome de particulas de medo.

frente ao espello áchote.
espida, branca, sangrante.
Daesa de les hores baixes.
altiva e desafiante óllasme.
agochada sobre miñas branduras esquivo túa arrogancia, noutrora amada.

consumida na traseira, agardo.

eva méndez doroxo

2 comentários:

Anabela disse...

ando descalça
não me lembro de o dizer
quase ninguém olha para
baixo, para cima
veriam não existir pretensão
sei nada

se apenas olhasse para espelho
as perguntas se perderiam
fugiria a surpresa
não dançaria

e ando

concubina da morte disse...

lindo anabela, obrigada por compartir aquí. bics

Free Counter and Web Stats